Ruta 40 - Aventura em dez dias

Ruta 40 - Aventura em dez dias
Clique na foto para ir ao comentário - Resumo da viagem

Ruta 40 - Belén para Cafayate - dia 15.09.2009

Uma viagem curta de menos de 300km, para iniciar a preparação do que pensamos ser a última etapa, até La Quiaca.
Nessa parte rodaremos mais de 500 km de rípio em altitudes acima de 4000 metros.
Cafayate é uma cidadezinha que tem o centro bem ajeitado e com muitas flores.
Laury e Alexandre

Deboni
Vicente
AlexVicente - DeboniBarão - RobertoCaco e Laury


Entrevista LauryJames
Caco e Laury
Lauy e Deboni



Laury, Fábio, Vicente, Alex e Barão
Deboni
Barão com a camiseta do BMW Riders

O Barão "esqueceu"a moto.
A procissão do dia da Virgem Maria, padroeira da cidade.

Achamos o Belchior. hehehe




CAFAYATE, ENTRE MONTES E VINHAS


Os cerca de doze mil habitantes de Cafayate parecem, como a grande maioria dos argentinos, terem emigrado de outro lado qualquer. Os campos de vinha que rodeiam a povoação foram trazidas pelos espanhóis - sabe-se que a Companhia de Jesus foi a primeira a plantá-las na região para celebrar a missa e são agora o ex-líbris e chamariz turístico desta pequena vila argentina. Protegida das chuvas e a cerca de mil e setecentos metros de altitude, a povoação tem um clima característico, bastante seco, que combina a neve das montanhas com a areia quente dos vales.

Um caminhão atravessa a Quebrada de las Conchas, Norte da Argentina

Já conhecia um pouco desta zona, mas não esperava encontrar em Cafayate um nicho turístico em vias de exploração. À volta do quadrado de cimento com canteiros arborizados que recria a Plaza de Armas de qualquer cidadezinha espanhola, desenrola-se um rosário de restaurantes, gelatarias e lojas de artesanato. Na rua principal aparecem anúncios de pensões familiares - por vezes em inglês e hebreu. Já há mesmo restaurantes com funcionários vestidos de gaúcho, o cowboy das pampas argentinas, e artistas a condizer que, de guitarra ao peito, fazem música para turista ouvir.

Na rota do turismo enológico, com um clima ameno e um enquadramento exclusivo, entre o magnífico desfiladeiro de Cafayate, onde corre o rio de las Conchas, e os Andes, não são necessários monumentos histórico-arquitectónicos para justificar os milhares de turistas que por aqui passam anualmente. Alguns chegam em visitas rápidas de um dia a partir de Salta, a capital da província, outros passam a caminho de uma outra atracção turística, que é a bela aldeia de Cachi, nos vales Calchaquies.

Mas muitos vêm também para ficar alguns dias, porque simplesmente é bom ficar aqui. Não há locais altos de onde se possa apreciar em simultâneo o contraste entre as dunas, os vinhedos e as montanhas com restos de neve, mas é muito curioso poder avistá-los todos, um a seguir ao outro, numa área tão reduzida. E para além das originalidades culturais e geográficas, a desaceleração é total: visitar um par de quintas produtoras de vinho, fazer uma caminhada até Los Médanos, o pequeno mar de dunas brancas que fica a cerca de seis quilómetros de distância, dar um passeio calmo pela vila adormecida, explorar o desfiladeiro de bicicleta... este foi o plano que segui à risca para me embeber na cultura, na língua e no ritmo lento do tempo a passar.


OS VINHOS ÚNICOS DE CAFAYATE

Os vinhos da região, produto das grandes extensões de vinha que vemos em redor de Cafayate, beneficiam da pouca humidade e do clima temperado, e são conhecidos pela sua especificidade - sobretudo o famoso Torrontés, um branco frutado característico da Argentina e originário de Rioja, em Espanha, de onde entretanto desapareceu. Existem neste momento três tipos, com nomes que correspondem às respectivas regiões: de Norte para Sul aparece o Torrontés Riojano, o Sanjuanino e o Mendocino. Aqui, é cultivado entre os mil e setecentos e os dois mil metros de altitude, onde a exposição solar é maior e a temperatura mais baixa, enquanto as cepas francesas dos tintos ficam, geralmente, nos terrenos mais baixos. Para além do Torrontés produz-se Malbec, Cabernet-Sauvignon, Merlot e Tannat. Todos partilham os solos ligeiramente salinos, o sol quase infalível e o ar puro que faz de Cafayate um oásis em terra semidesértica.

Quinta onde se produz o famoso vinho Torrentés, em Cafayate

Apesar de não ser especialista, não poderia passar por aqui sem apreciar o vinho da região, nomeadamente o Torrentés. Seleccionei duas caves: a Vasija Secreta, a mais antiga de Cafayate, e a Bodega Nanni, que oferece vinhos biológicos e se mantém nas mãos da mesma família há mais de um século. Apesar da quantidade de vinho que oferecem ser meramente simbólica, permite-nos minimamente apreciar o sabor adocicado do Torrontés, tipo moscatel, ao mesmo tempo fresco e perfumado. Embora não esteja preparada para compreender descrições técnicas como as dos prospectos que oferecem nas caves, tipo “en la boca es redondo y de buena intensidad”, devo dizer que me pareceu um vinho diferente e muito agradável.

Os vinhos biológicos da Bodega Nanni, quase totalmente exportados para a Europa, possuem a realmente a certificação de biológicos (“Organico Total”) desde 1996: ao longo da produção não são utilizados quaisquer produtos químicos, bastando a combinação sol-terra-altitude para obter uma uva de qualidade. O lugar de visita e prova é uma pequena cave no centro de Cafayate, onde nos são explicadas as generalidades do seu fabrico engarrafamento. Em redor de um pátio interior distribuem-se os armazéns, alguma maquinaria moderna utilizada na produção vinícola e alguns objectos antigos, que exemplificam a evolução que esta arte tem sofrido.

A cave mais antiga é a Vasija Secreta, que produz desde 1857 e já ganhou vários prémios internacionais. Fica mais distante do centro, mas tem a vantagem de se inserir na paisagem, com as vinhas bem tratadas a levantarem-se mesmo ali, à entrada da porta, substituindo os cactos e arbustos secos que são o que mais vulgarmente vemos sair destes solos. A sombra negra dos Andes está bem visível no fundo do vale, e a casa colonial da quinta abriga um pequeno museu de artefactos relacionados com a produção, como uns curiosos carrinhos de mão em madeira de cacto.

Vinhas em Cafayate

Se a povoação em si não tem grandes exemplos de arquitectura ou, sequer, edifícios históricos, pelo menos estas quintas vinhateiras souberam guardar um certo ar colonial, umas vezes verdadeiro outras de imitação, exibindo o aspecto castiço de uma antiga bodega espanhola. As casas estão caiadas de branco e fazem-nos lembrar os filmes do Zorro, com varandas no primeiro andar e escadarias na entrada. Uma das mais bonitas é a La Rosa e fica mesmo à saída da cidade, na estrada 68, que segue o desfiladeiro do rio de Las Conchas. O rio revela abertamente onde foi buscar a cor avermelhada que o tinge: os montes são vermelhos, laranja e amarelos; a vegetação é seca, acompanhando a tendência do solo, que se vai transformando em areia.

Primeiro são as gargantas do Diabo e o Anfiteatro, corredores estreitos de penhascos levantados do chão por movimentos milenares, alisados e esculpidos por água que já não parece passar por ali há muito. Alguns hippies também estabeleceram aqui as suas “vendas”, e aproveitam a formidável acústica do local para tocar música suave e idílica - flautas e guitarras estimuladas por alguns garrafões de vinho, que de vez em quando são confiscados pela polícia. As formas do vale vão-se alterando e as mais identificáveis estão assinaladas por placas: o Sapo, o Frade, o Obelisco... No alto dos montes e nas vertentes mais soalheiras levantam-se vários tipos de cactos, cinzentos e direitos, com um aspecto quase macio. Próximo de Cafayate aparecem as Janelas, arcos amplos nas paredes de terra e pedra, abertos sobre uma paisagem ressequida mas impressionante, onde os arbustos parecem irradiar do chão sem conseguir afastar-se muito dele, tomando os ramos a sua cor: amarelo, cinza, verde-limão. É fácil alcançar esta zona de bicicleta e pedalar junto ao rio lá no fundo do vale, que serpenteia e trabalha a terra, criando novas formas espantosas.

Penhascos impressionantes erguem-se em ameias de pedra cor-de-laranja; mais ao fundo, um Titanic de areia compactada parece afundar-se no rio baixo e cor de ocre. Numa das paredes de terra junto à estrada, pássaros entram e saem de entre uma espécie de tubos de órgão de igreja esculpidos pelo vento, numa algazarra colorida. O sol castiga, a areia ofusca, as cores quentes da paisagem recortam-se num céu que vi sempre descoberto e muito azul. E depois avistamos de novo as vinhas de Cafayate, aos pés do Andes.

2 comentários:

  1. Oi pai!

    Muito bonitas todas as fotos!

    Quero saber se estão bem? muito cansados? Agora falta pouco...

    Saudades!

    Beijos da filhinha

    ResponderExcluir
  2. Pretinha querida. Desculpe não ter te respondido. Mas a viagem estava dificil e eu não sabia mexer bem no blog.
    Eu estava com muita saudades.
    Beijão
    Paizito

    ResponderExcluir

Visita por países desde 11.12.2009


comprar e vender